Divulgação

Mariana Pereira é proprietária da empresa "Dona Mãe"

Mariana Pereira é proprietária da empresa “Dona Mãe”

Se a maternidade já muda a vida das mulheres por si só, no caso da bauruense Mariana Pereira, a chegada do seu primeiro filho foi ainda mais transformador. Ao saber que estava grávida, a fonoaudióloga começou a ler mais blogs e matérias sobre tudo o que envolve a maternidade, sobretudo o enxoval que, no caso dela, feito nos Estados Unidos. Depois de ter comprado tudo para o seu bebê, Mariana começou a ajudar algumas amigas e logo já estava trabalhando com isso, e assim surgiu a Dona Mãe. Desde o ano passado, sua empresa atua em duas frentes: com auxílio aos pais em relação a busca da babá ideal e com capacitação para babás, faturando 100 mil reais ao ano e atuando não só em Bauru, como São Paulo, Ribeirão Preto e Campinas.

“Criei um serviço novo, totalmente personalizado e no ambiente que o bebê frequenta, ou seja, a babá tem mais facilidade de absorver o aprendizado e consigo observar as particularidades de cada família e aplicar no treinamento”, afirma a ex-fonoaudióloga e hoje empresária.

Recentemente, a bauruense foi destaque no site Pequenas Empresas Grandes Negócios sobre sua trajetória e os diferencias de sua empresa. Ela também conversou com a equipe do Social Bauru e comentou mais sobre a Dona Mãe. Confira:

Mariana, como surgiu a ideia de abrir o Dona Mãe?
Na verdade, a Dona Mãe foi nascendo naturalmente, sem muito planejamento inicial. Quando engravidei do primeiro filho, mergulhei nos blogs maternos para me ajudar a fazer o enxoval nos EUA. Aos poucos fui ajudando várias amigas com dicas de enxoval lá fora e pensei que poderia começar a trabalhar com isso. Ao mesmo tempo, era proprietária de uma clínica de Aparelhos Auditivos. Quando a Dona Mãe foi tomando força, vendi metade da minha clínica e, após seis meses, vendi os 50% restante. Após minha mudança para São Paulo, procurei um curso onde pudesse ter mais conhecimento sobre a área de assessoria materna, e me certifiquei pelo International Maternity and Parenting Institute – IMPI, como Baby Planner. A Baby Planner auxilia famílias no planejamento, durante a gravidez e após o nascimento, no que diz respeito a tudo que englobe os cuidados com o bebê. Durante o atendimento à essas famílias, observei algumas queixas e dificuldades em relação a busca da babá ideal. Foi assim que enxerguei uma lacuna no mercado e comecei a planejar esse novo projeto.

E como funciona a sua empresa?
Atualmente trabalho em duas frentes. Uma é o treinamento domiciliar de babás, onde após uma entrevista com a mãe, levantamos os pontos que precisam ser treinados ou aprimorados na babá e montamos um pacote de serviços que se encaixe com as necessidades da família. Falo desde etiqueta e ética até brincadeiras e estímulos para os bebês. A outra frente é a assessoria para os pais durante o processo de seleção e contratação da babá. Auxilio a família a encontrar a profissional que mais se adeque ao perfil da família, oriento sobre os cuidados que devem ter durante a entrevistas e noções gerais de higiene e cuidados com o bebê.

Você atende somente babás?
Muitas diaristas ou mensalistas que estão envolvidas nos cuidados da criança também participam do treinamento. Da mesma forma, algumas avós gostam de estar perto e receber novos conhecimentos. Em tempos de crise, muitas famílias estão diminuindo o número de empregados e passando a mensalista para os cuidados com o bebê, e nós auxiliamos nesse processo, dando suporte e conhecimento para essa transição ocorrer com segurança.

Você foi destaque no site PEGN. Qual você acha que seja o segredo do sucesso de sua empresa?
Criei um serviço novo, totalmente personalizado e no ambiente que o bebê frequenta, ou seja, a babá tem mais facilidade de absorver o aprendizado e consigo observar as particularidades de cada família e aplicar no treinamento.

Você não atua somente em Bauru, certo? Como aconteceu esta expansão?
Na verdade, atualmente moro em São Paulo, e o treinamento de babás teve seu início aqui. Com a divulgação do trabalho, algumas outras cidades e até estados entraram em contato. Mas ainda não consigo atender grandes distâncias, fiz atendimento em três cidades além de São Paulo: Bauru, Ribeirão Preto e Campinas.

Atuando em outras cidades, você acha que Bauru é uma cidade forte para negócios?
Eu sou suspeita, porque amo Bauru, tenho família e muitos amigos aí, por isso sempre acredito na força da cidade.
Além do mais, com a correria do dia a dia e os pais trabalhando fora de casa, existe a necessidade de querer que os seus filhos estejam com uma pessoa de confiança e bem orientada nos cuidados com eles. Bauru tem grandes empresas e muitas oportunidades, o que faz com que a cidade tenha uma força econômica e os pais busquem o melhor para os seus filhos.

Você acabou deixando a sua profissão como fonoaudióloga para cuidar da empresa? Foi muito complicado fazer esta troca?
Por incrível que pareça, não. Eu me realizei como fonoaudióloga, fiz mestrado pela USP de Ribeirão Preto, trabalhei em várias empresas de aparelhos auditivos, tive minha própria clínica por 5 anos, mas apesar de ser clichê, a maternidade realmente muda tudo. Hoje sou apaixonada pelo que faço e pelo mundo materno, nunca mais pensei em voltar à fonoaudiologia.

E quais os planos para 2017?
Esse ano, além dos atendimentos às famílias, estou com um projeto para atuar em grandes empresas. Hoje em dia as mulheres têm muita representatividade dentro das empresas e por outra lado, as empresas estão cada vez mais valorizando suas funcionárias. O número de mulheres que desistem da carreira ou diminuem sua produtividade após a gravidez é enorme. Isso ocorre, pois elas não se planejam durante a gestação e licença-maternidade e, quando chega a hora de voltar ao emprego, não encontram suporte para a criação do filho. Meu projeto consiste em atuar dentro das empresas, com as funcionárias gestantes, no planejamento da gravidez e retorno ao trabalho, e claro, na contratação da babá.

Para saber mais, acesse: www.facebook.com/donamaebaby